Segunda-feira, 18 de Abril de 2011

                                                                         I want my dreams back

 

A minha proposta é pôr todos os políticos na rua, despedi-los.

Eles não são a solução dos problemas, muitos dos quais eles próprios (nos) criaram ou não souberem resolver. Eles tornaram-se um problema.

Os políticos ou são corruptos, ou incompetentes, ou irresponsáveis, ou tudo isto junto. Para além disto, os políticos alternam-se e revezam-se na pilhagem do País que nos conquistam nas eleições. O actual presidente da república foi eleito por 23% dos cidadãos com direito de voto! Esta é a sua representatividade.

Políticos fazem o que querem, quando querem, como querem e gozam de imunidade. Humilham, exploram e espezinham enquanto tratam dos seus interesses e se enriquecem há nossa custa. Não são particularmente os políticos da esquerda ou da direita, do centro ou da extrema esquerda, ou os da extrema-direita. Nos últimos 37 anos todos eles partilharam e exerceram o poder (quase absoluto). Os cidadãos, esses, na sua grande maioria, estão cada vez mais pobres, desiludidos e desesperados. Não há saída. A dor, a vergonha e o desalento do cidadão são confrangedores. Eleições, votar e fazer greve ou manifestações, já não fazem qualquer sentido. Assim, chegará inevitavelmente o momento em que os cidadãos, independentemente de ideologias e credos, dirão: ”Basta. Todos para a rua.”

Não precisamos e não queremos políticos, partidos políticos, presidentes ou casas reais para nos governarem. O País é dos cidadãos. É o cidadão que tem de tomar a responsabilidade da sua gestão em vez de a delegar e de se demitir. O País é um património colectivo, do cidadão, para o cidadão.

Somos nós, cidadãos, que governamos. Somos nós que contratamos quem executa o que decidimos, como faz qualquer accionista (cidadão) ou o proprietário de uma qualquer média ou pequena empresa.

Para mudarmos as regras do jogo democrático, com as actuais perdemos sempre, basta que 1% dos cidadãos adultos e jovens, mulheres e homens, ricos e pobres, (semi)analfabetos ou doutorados, com emprego ou desempregados, saudáveis ou doentes, ocupem pacificamente as praças das nossas cidades até que todos os políticos se apercebam que não os queremos mais. Os políticos não se demitirão de livre vontade.

Se melhorar as condições de vida dos cidadãos é indispensável, não é tal no entanto o fundamental. Fundamental é readquirir o respeito próprio, o orgulho de ser cidadão, o prazer e a satisfação de ser livre e solidário. O fundamental é poder, realmente, construir o País, a nossa vida e o nosso futuro. Basta de ser servo dos que nos governam e oprimem. É altura de os despedirmos, de irem todos para a rua.

 

 Crise?

Sim, mas não em especial aquela que os políticos dizem ser: económico-financeira.

Entre os países europeus Portugal é sistematicamente colocado nas piores posições quando se trata de comparar parâmetros relativos ao bem-estar e à percepção do mesmo pelo cidadão.

A título de exemplo:

- A distribuição de rendimentos

- O estado de saúde

- A pobreza

- A formação profissional e académica

- O desemprego

- A imigração

- A corrupção

- A justiça

- A administração pública

No País, as desigualdades sociais e a sua persistência adquiriram níveis imorais. Assim não é de admirar que o cidadão português, como grupo, apresente um dos índices mais baixos de confiança no sistema político vigente em parâmetros tais como: políticos e justiça.

Isto é um estado depressivo crónico, pelo que ameaças exteriores têm consequências desproporcionais.

Esta é a nossa crise. Esta é a nossa vergonha que paralisa cada um de nós e a nossa sociedade.

Por este prolongado estado de opressão, incompetência e impunidade são os políticos os formalmente responsáveis. São eles que governam o País há quase quarenta anos.

O cidadão, esse sofre e mantém o regime até ao momento em que decida não mais o fazer.

 

                                                                                Pride in running our own live

 

Menezes e Cunha

Fevereiro de 2011

 

 
 

Grupos Cívicos

Se também acha que basta, se quer reaver a sua dignidade de cidadão e reconstruir a nossa sociedade, divulgue estes artigos. Organize os seus amigos, família, conhecidos e colegas em grupos cívicos. Interligue-os e dinamize-os.

 

 

 

 



publicado por menezesecunha às 14:10 | link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?

1 comentário:
De hummming a 25 de Abril de 2011 às 00:01
«Qual é coisa qual é ela que sobe mais de 2% ao dia desenhando um perfeito crescimento parabólico?
Se respondeu prata está errado.
Estou a falar dos juros da dívida pública.»
http://inflaccionista.blogspot.com/


IMPORTANTÍSSIMO, LEIAM E DIVULGUEM O MAIS POSSÍVEL:

«Começou o ataque a Portugal e à Grécia»
http://caldeiraodebolsa.jornaldenegocios.pt/viewtopic.php?t=76617&start=0


Comentar post

“I want my dreams back” _____________________________ Recrear a democracia, ____________ devolver o poder ao cidadão, despedir os políticos. __________ ______________________________ “Pride in running our own live”
Grupos Cívicos
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Basta! Todos para a rua

Três assuntos

O poder dos políticos é o...

Ninguém deveria entregar ...

No trash talk

arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

subscrever feeds